segunda-feira, 30 de março de 2015

Utilidade Pública - Empresa de consultoria abre 150 vagas para trainees em todo o Brasil

As inscrições podem ser feitas até o dia 8 de maio

Uma das cinco maiores empresas
de auditoria e consultoria
A BDO está com inscrições abertas para o programa de trainee 2015/2016. São 150 vagas para recém-formados nos cursos de ciências contábeis, administração de empresas, economia, direito e TI. As inscrições podem ser feitas até 08 de maio, pelo site.

As oportunidades são para os escritórios fixados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Brasília, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Pará, Recife, Fortaleza, Salvador, Manaus e Tocantins.

De acordo com a empresa, o candidato ainda deve ter capacidade analítica, visão macro, espírito de liderança, iniciativa, capacidade de adaptação e bom relacionamento interpessoal. Domínio de idioma estrangeiro, - preferencialmente inglês -, e conhecimentos de informática completam o perfil.

O início do programa está previsto para julho de 2015. Haverá um mês de treinamento e depois os trainees atuarão em campo, nos projetos dos clientes do escritório.

Além de salário compatível com o mercado, a companhia também oferece assistência médica e odontológica, seguro de vida, vale refeição, vale transporte, reembolso de faculdade e adicional por fluência no idioma inglês.

Fonte: Correio web - BDO

Utilidade Pública - Detran oferece cursos para quem tem medo de dirigir e de mecânica para mulheres

Opções são gratuitas e inscrições começam nesta quarta-feira (1°)

Nesta quarta-feira (1°), o Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) abre inscrições para o curso Iniciação à Superação do Medo de Dirigir e, na quinta-feira (2), Mecânica para Mulheres, ambos gratuitos. Para participar, os interessados devem ter a Carteira Nacional de Habilitação.

As aulas do curso teórico de Iniciação à Superação do Medo de Dirigir ocorrerão no turno vespertino, das 14 h às 17h30, nos dias 6, 7, 8, 9, 10, 13, 14 e 27 de abril, na Escola Pública de Trânsito (EPT), localizada na Diretoria de Educação do Detran, na 706/906 Sul.

Quanto ao curso Mecânica para Mulheres, serão abertas duas turmas (vespertina e noturna). As inscrições para o turno vespertino começam na próxima quinta-feira (2). As aulas serão realizadas nos dias 7, 8, 10, 14 e 15 de abril, das 14 h às 17h30. Para o noturno, as inscrições têm início em 13 de abril. As aulas ocorrerão nos dias 16, 22, 24, 28 e 30 de abril, das 18h30 às 22 h, na EPT.

O Detran-DF oferecerá 35 vagas para cada turma. Os interessados devem fazer a inscrição na EPT, das 7h30 às 18h30.

Fonte: Detran/DF - Agência Brasília

Auxiliares operacionais da Saúde lutam por reclassificação profissional

Deputados vão levar demandas ao governador
Os auxiliares operacionais de serviços diversos (AOSDs) da Secretaria de Saúde lotaram o plenário e as galerias da Câmara Legislativa na manhã desta segunda-feira (30) para debater a principal reivindicação da categoria, considerada extinta pelo governo local: a revisão do plano de carreira e a reclassificação profissional. Os servidores foram unânimes em acusar "discriminação" e cobraram a abertura de negociação com o Executivo para resolver distorções acumuladas ao longo de anos, como a prática de desvio de função. A audiência pública foi realizada por iniciativa da presidente da CLDF, deputada Celina Leão (PDT).
Ao final do evento, Celina e o deputado Juarezão (PRTB) anunciaram que irão marcar uma reunião com o governador Rodrigo Rollemberg, para buscar o atendimento das demandas apresentadas. Os distritais também decidiram que a Câmara Legislativa irá realizar visitas técnicas aos hospitais a fim de checar as más condições de trabalho denunciadas pelos servidores de apoio às atividades de saúde – muitos dos quais reclamaram, por exemplo, da insalubridade no funcionamento das lavanderias e da utilização de pessoas não qualificadas.
"Vocês não podem continuar sendo tratados como invisíveis, mesmo exercendo tarefas tão importantes nas unidades de saúde. Acredito que a luta pela reclassificação será vitoriosa, e o governador precisa ser bem informado sobre o que está acontecendo na saúde do DF", afirmou Celina. A deputada ainda reclamou da ausência do secretário de Saúde e de representantes da pasta na audiência pública: "Isso é um desrespeito aos servidores e ao Poder Legislativo".
"O secretário de Saúde está demonstrando não estar preocupado com a difícil situação dos servidores. Mas nós vamos diretamente ao governador cobrar a valorização dos AOSDs, tão explorados e discriminados dentro dos hospitais", criticou o deputado Juarezão. Ele alertou que as visitas dos distritais às unidades de saúde serão realizadas sem avisar aos diretores, "para que não possam maquiar o mau funcionamento das unidades e os casos de insalubridade enfrentado pelos profissionais".
Discriminação – "Eu sempre sonhei estar aqui, pois a nossa luta contra a discriminação é de mais de 20 anos. E esta Casa é a mais importante do DF, onde a gente tem voz e pode resolver o nosso problema", enfatizou, com a voz embargada e sob aplausos das galerias, a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues. "Os AOSDs não podem continuar sendo extremamente explorados. São 1.700 profissionais que fizeram concurso de nível básico e que exercem funções de nível médico", advertiu.
O diretor jurídico do Sindicato dos Médicos, Antônio José Santos, foi outro que se emocionou ao defender a reclassificação dos AOSDs. "Enquanto o GDF extinguiu esses cargos e não fez a reposição de servidores, nas outras unidades da Federação os concursos públicos continuam sendo realizados com as mesmas atribuições", enfatizou.
Entre os servidores que se revezaram na tribuna prevaleceu o clima de revolta. Uma das principais queixas diz respeito à proibição pela Secretaria de Saúde do pagamento de horas extras para os AOSDs, ao contrário do que ocorre com médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem. "Eles são o nosso braço direito no atendimento aos pacientes", apontou Estela Krause, técnica de enfermagem que atua no Hospital de Ceilândia.  
Zildenor Ferreira Dourado - Coordenadoria de Comunicação Social

sexta-feira, 27 de março de 2015

Câmara Legislativa visita Ceilândia pelo projeto Câmara em Movimento

Na segunda edição do “Câmara em Movimento”, a Câmara Legislativa do DF foi até o estacionamento do Restaurante Comunitário de Ceilândia, nesta quinta-feira (26).  A sessão extraordinária contou com a presença dos deputados Wasny (PT), Telma Rufino (PPL), Rodrigo Delmaso (PTN), Celina Leão (PDT), Professor Israel (PV), Chico Vigilante (PT), Luzia de Paula (PEN), Bispo Renato (PR), entre outros.

Antes do começo da sessão, foi prestado um minuto de silêncio em homenagem ao vigilante Fernando Marques, falecido ontem (25) durante a noite, enquanto estava a serviço na Câmara. O homem teve um ataque cardíaco fulminante e morreu no local.

Após as devidas homenagens, Celina Leão abriu a sessão falando sobre os benefícios de levar a Casa para outros locais do DF. A parlamentar parabenizou a cidade, que faz 44 anos este mês, e exaltou a presença e a participação constante do povo da Ceilândia nas decisões do Distrito Federal.

Alguns deputados pediram a palavra, como o Professor Israel, que discursou sobre as “escolas públicas para rico e escolas públicas para pobre”, em alusão as supostas melhores condições das escolas mantidas pelo estado localizadas no Plano Piloto e aquelas em cidades satélites.

Chico Vigilante usou seu tempo na tribuna para exaltar a cidade, na qual é residente. Disse que “Ceilândia é a 43ª maior cidade do país, maior até que muitas capitais, como por exemplo, Rio Branco no Acre ou Macapá, no Amapá”.  O parlamentar elogiou a iniciativa da “Câmara em Movimento”, usando a célebre frase: “O artista tem que ir onde o povo está”.

Após o discurso de Vigilante, Luzia de Paula avistou Maria de Lourdes Abadia, ex-vice-governadora na gestão Roriz, ex deputada federal pelo DF e uma das figuras mais icônicas na fundação da cidade, em 1971. De pronto, a parlamentar rasgou elogios a Abadia, se referindo a ela como governadora, deputada e até “eterna administradora de Ceilândia”, cargo que Abadia ocupou durante aproximadamente 10 anos. A ex-gestora foi convidada a integrar a mesa da sessão legislativa e lá permaneceu, depois de um emocionado discurso.

Foto: Ricardo Padue/Brasil Notícia


Depois, a sessão foi aberta a participação popular. Cerca de 40 pessoas da comunidade Ceilandense tomaram o púlpito com suas reinvindicações, pedidos, e vez ou outra, elogios aos parlamentares.

O comerciante Carlos Tarcísio Moura, de 34 anos, aprovou a ideia da “Câmara em Movimento”, mas pede “atuação verdadeira” dos parlamentares na cidade. “Não adianta fazer todo esse show aqui para a mídia, se as condições da cidade permanecerem como estão. Precisamos de investimentos pesados em segurança pública e educação, além de infraestrutura básica em localidades como o Sol Nascente”, explicou.

Já a vendedora ambulante Rejane Ferreira, com 29 anos, se empolgou com a iniciativa. “Quando eles vão voltar? Adorei a ideia, muitas vezes as pessoas daqui se sentem excluídas das principais decisões, e este tipo de coisa nos faz sentir mais presentes. Além do que, o movimento aqui está umas dez vezes maior do que o normal, estou vendendo muito”, declarou Rejane.

O administrador de Ceilândia, Vilson José de Oliveira, também esteve presente no evento. Apesar dos inúmeros problemas encontrados na região, o administrador disse se sentir "feliz", pela cidade ser contemplada com o projeto. "Acredito que muitas das leis que beneficiam nossa cidade serão discutidas aqui, hoje (...) por estarem mais perto do povo, os deputados facilitam a comunicação e consequentemente auxiliam nossa comunidade", relatou.

Vilson, porém, admitiu que a cidade tem diversos pontos carentes que necessitam da atenção dos parlamentares. "As nossas reivindicações são muitas, com certeza temos pendências de governos anteriores, mas aqui os deputados verão os pedidos da população, e aos poucos vamos resolvendo", garantiu.

Fonte: Brasil notícia

quarta-feira, 25 de março de 2015

CELINA LEÃO DEFENDE ABERTURA DE CPIS



Câmara Legislativa do Distrito Federal
NOTÍCIA

Emissora: BANDNEWS

Programa: GENTE BRASÍLIA - CLÁUDIO HUMBERTO, FERNANDA MAKINO E RODRIGO ORENGO

Data: 25/03/2015 às 10:14:43 - CELINA LEÃO DEFENDE ABERTURA DE CPIS

Indícios de irregularidades com gastos de dinheiro público na gestão do ex-governador Agnelo Queiroz podem ser investigados na CLDF. Os contratos que aumentam os custos das secretarias de Saúde e Transportes são os principais alvos dos distritais, que estudam a abertura de duas CPIs. A presidente da Casa, Celina Leão (PDT), defendeu como prioritária a instalação das CPIs, mas diz que a decisão ficou para uma próxima reunião devido à falta de consenso. “Tem as pessoas que têm interesse em abrir uma investigação, outros que não. Alguns membros acham que poderia engessar a Casa...”, relata. Chico Vigilante (PT) sustenta que não existe prova determinante para a abertura de CPIs. 

terça-feira, 24 de março de 2015

Câmara realiza Fórum de Mulheres da Segurança Pública

veja mais fotos
A luta pela igualdade de gênero nos diversos espaços e atividades da segurança pública do DF concentrou os debates durante o I Fórum de Mulheres da Segurança Pública, na manhã desta terça-feira (24), no auditório da Câmara Legislativa. O fórum integra as comemorações do mês da mulher na Casa.
Para a presidente da CLDF, deputada Celina Leão (PDT), autora da iniciativa, o objetivo do fórum é buscar políticas públicas que atendam as mulheres que atuam na segurança pública. Celina anunciou a elaboração de um protocolo de intenções a partir das discussões realizadas no fórum. Policiais, bombeiras e agentes de segurança que participaram do fórum preencheram formulários com sugestões para a construção do protocolo.  
"Nossa proposta é disseminar a ideia da igualdade no mundo do trabalho, em todos os campos, inclusive o da segurança pública", afirmou a secretária adjunta de Políticas para Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do DF, Cleide Lemos. Para ela, as mulheres "têm todas as qualificações necessárias" para trabalhar em espaços como as Forças Armadas, Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar, Departamento de Trânsito, entre outros.
Mulheres de várias corporações compareceram ao fórum
A representante do Sistema Penitenciário do DF, delegada Deuselita Pereira Martins, elogiou a realização do fórum, mas lembrou que "as conquistas das mulheres da área de segurança foram por esforço próprio, e não por políticas públicas". Segunda a delegada, ainda há muita discriminação na área, como "a visão distorcida segundo a qual a segurança é feita na base da força". Na polícia há trinta anos, Deuselita criticou o curso preparatório para a carreira, que "até hoje é o mesmo para homens e mulheres", disse.  Ela pleiteou que os cargos de comando da corporação devam ter como critério a competência, e não o gênero.
"O trabalho da Polícia Civil hoje no DF é muito melhor por causa do aumento do efetivo de mulheres na instituição", opinou o diretor-geral da Polícia Civil, Eric Seba de Castro. Para ele, existe uma "complementação" na segurança pública devido à atuação conjunta de homens e mulheres. Atualmente as mulheres representam 42% dos 1.290 servidores efetivos do Detran-DF, de acordo com o diretor-geral do órgão, Jayme Amorim Souza. Segundo ele, o Detran executa suas atividades sem diferenciação entre homens e mulheres.
Posição similar foi defendida pelo coronel Ronaldo Vanderlam da Costa, do Comando Especializado do Corpo de Bombeiros Militar do DF, que destacou a atuação do efetivo de mulheres naquela corporação. Ele exemplificou que a Coordenadoria de Riscos e Desastres hoje é comandada por uma mulher. A deputada Celina Leão, fez menção a uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) que propõe aumentar o papel da mulher na prevenção e resolução de conflitos. Como parte do fórum, foram realizadas durante toda esta manhã palestras ministradas por integrantes das corporações, em que foram abordados temas como a valorização profissional e questões de gênero. 
Franci Moraes - Coordenadoria de Comunicação Social

sexta-feira, 20 de março de 2015

Utilidade Pública - Inscrições abertas para oficinas gratuitas de comunicação

Aulas são voltadas à qualificação para o mercado de trabalho. Podem participar pessoas de 12 a 23 anos

Os Centro Olímpicos e Paraolímpicos de Brazlândia, do Gama, do Recanto das Emas, de Santa Maria e do Setor O estão com matrículas abertas, até 7 de abril, para oficinas de comunicação. São 120 vagas por unidade, distribuídas nos períodos matutino e vespertino, abertas à população em geral.
Podem participar pessoas de 12 a 23 anos. Os interessados devem comparecer à secretaria do centro escolhido, de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas, e levar documento de identidade ou certidão de nascimento, comprovante de residência e declaração estudantil ou diploma de conclusão de ensino médio. Quem é menor de idade deve estar acompanhado de um responsável.
Capacitação profissional
As oficinas ensinam conceitos da comunicação, com o objetivo de qualificar para o mercado de trabalho nas áreas de rádio, televisão, mídias impressa e digital.

De 7 de abril a 24 de junho, haverá aulas de texto e redação, edição de vídeo, desenvolvimento pessoal e profissional, captação e edição de imagem, confecção de peças publicitárias e empreendedorismo.
Inscrições para oficinas de comunicação
Até 7 de abril
De segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas
Centro Olímpicos e Paraolímpicos de Brazlândia, do Gama, do Recanto das Emas, de Santa Maria e do Setor O
Documentação: identidade ou certidão de nascimento, comprovante de residência e declaração estudantil ou diploma de conclusão de ensino médio

Fonte: Agência Brasília

quarta-feira, 18 de março de 2015

A voz das ruas

Sem ódio, sem violência e sem vandalismo, dois milhões de brasileiros foram às ruas nos 26 Estados do Brasil e no Distrito Federal para protestar contra os escândalos de corrupção do governo Dilma, cujo segundo mandato começou há apenas dois meses.

Famílias inteiras foram às ruas. Pais e filhos, crianças e idosos marcharam juntos contra a corrupção. Causa espanto, portanto, a fala de alguns governistas que enxergaram “ódio” nas ruas. Quem são os golpistas? As famílias que protestam contra a corrupção ou aqueles que passaram os últimos oito anos saqueando a Petrobras?

É preciso que não apenas os governistas, mas a classe política como um todo entenda o recado das ruas e pare de subestimar a inteligência das pessoas. Novos protestos virão (o próximo em 12 de abril) e Dilma ainda tem 46 meses de mandato a cumprir. É hora de abandonar o cinismo palaciano e oferecer respostas dignas aos brasileiros.
É lamentável que – em coletiva de imprensa após os protestos – os representantes do governo federal tenham repetido as mesmas promessas feitas em junho de 2013, quando manifestações também reuniram milhares de insatisfeitos em todo o Brasil.

Foi novamente prometido um tal “pacote anticorrupção”, sem que ninguém do governo federal tenha reconhecido que falharam em cumprir a mesma promessa, feita em 2013 que, se tivesse sido cumprida, talvez tivesse abreviado a crise na Petrobras.

É notável a ausência de autocrítica dos petistas, cujo talento para fugir da realidade nós, do Distrito Federal, conhecemos bem. Dizem, as pesquisas internas do Planalto, que Dilma tem apenas 7% de aprovação.

Se permanecer nesse estado de negação, a presidente acordará para a realidade tarde demais.

Celina Leão 
Deputada Distrital 
Presidente da CLDF

sábado, 14 de março de 2015

Utilidade Pública - Senac oferece 2.116 vagas em 62 cursos gratuitos

O Senac-DF está com inscrições abertas até 19 de março para 2.116 vagas em cursos técnicos e de formação inicial e continuada do Programa Senac de Gratuidade (PSG). O ingresso nos cursos será por ordem de inscrição do candidato, que deve ser feita de forma presencial, nos Centros de Educação Profissional do Senac-DF, onde o curso será realizado. As inscrições poderão ser efetuadas em todas as unidades, de segunda a sexta-feira, das 9h às 21h15, e aos fins de semana somente nas unidades do Setor Comercial Sul (Jessé Freire), 903 Sul, Gama e Taguatinga – aos sábados das 9h às 15h15 e domingos das 8h às 14h15, exceto recessos e feriados.

O PSG é mais uma ação da instituição para promover a inclusão social. Resultado de um acordo feito entre o Senac e o Governo Federal, o programa é voltado para jovens de baixa renda que buscam o seu primeiro trabalho com carteira assinada; pessoas que já atuam na esfera produtiva e desejam se requalificar para crescer profissionalmente; e demais brasileiros que necessitam gerar renda para abrir o próprio negócio ou atuar no mercado informal.

No Distrito Federal, para participar, é necessário atender aos requisitos de acesso do curso escolhido, estar matriculado ou ser egresso da Educação Básica (Ensino Fundamental ou Ensino Médio), ser trabalhador desempregado ou empregado e ter renda familiar mensal per capita de até 2 (dois) salários mínimos federais. No ato da inscrição, os interessados devem levar os seguintes documentos: documento oficial com foto e o CPF, comprovante da escolaridade exigida para o curso, e comprovante de baixa renda (carteira de trabalho ou uma autodeclaração de renda).

Entre os 62 cursos oferecidos destacam-se o de Gerenciamento e Responsabilidade Técnica de Estabelecimento de Embelezamento e Estética e o de Gestão do Trabalho, Microbiologia e Biossegurança em Serviços de Embelezamento e Estética, criados para que profissionais de salões de cabeleireiros, barbearias e clínicas de estética possam se adequar à norma regulamentadora nº  6/2014 da Vigilância Sanitária que estabelece padrões mínimos sanitários e diretrizes gerais para os empreendimentos.

Os demais cursos disponíveis são Administração de Serviços Hospitalares, Agente de Alimentação Escolar, Agente de Informações Turísticas, Assistente Administrativo, Assistente de Pessoal, Assistente de Recursos Humanos, Auxiliar de Cozinha, Bartender, Cabeleireiro, Cálculos de Medicação Aplicados a Prática de Enfermagem, Camareira em Meios de Hospedagem, Confeiteiro, Corte e Escova – Tendências Atuais, Costureiro, Cozinheiro, Depilador, Design de Sobrancelhas, Editor Gráfico, Espanhol Básico, Especialização Técnica em Enfermagem do Trabalho, Excel Básico e Avançado, Faturamento Médico Hospitalar, Faturista, Garçom, Gerenciamento em Organização de Condomínios, Inglês Básico, Inglês Intermediário, Lógica de Programação, Manicure e Pedicure, Manutenção de Notebook, Maquiagem Social, Montador e Reparador de Computadores, Operador de Computador, Organizador de Eventos, Padeiro, Pizzaiolo, Recepção em Serviços de Saúde, Recepcionista de Eventos, Recepcionista em Serviços de Saúde, Salgadeiro, Sushiman, Técnicas Avançadas em Química Capilar, Técnicas de Petisco e Comida de Boteco, Técnicas de Produção de Pães Caseiros e Artesanais, Técnicas de Produção de Tortas Doces e Salgadas, Técnicas de Saladeiro, Técnicas de Vendas e Negociação, Técnico em Comunicação Visual, Técnico em Contabilidade, Técnico em Enfermagem, Técnico em Estética, Técnico em Informática, Técnico em Logística, Técnico em Massoterapia, Técnico em Nutrição e Dietética, Técnico em Secretariado, Técnico em Segurança do Trabalho, Tesoureiro, Tratamento de Feridas – Assepsias e Curativos e Web Designer.

Mais informações podem ser obtidas pelo endereço eletrônicohttp://www.senacdf.com.br/, em uma das unidades do Senac-DF: 903 Sul, Ceilândia, Gama, Jessé Freire, Sobradinho, Taguatinga e Tecnologia do Turismo e Hospitalidade – ou pelo Tele Senac: 3313-8877.

Para ter acesso ao edital completo, clique aqui.

Fonte: Senacdf

Confira meu artigo da Semana - CLDF: 60 dias de mudanças

A seção de "Artigos" é retomada nesta legislatura com um artigo inaugural da presidente da Casa, deputada Celina Leão (PDT). No texto, a distrital apresenta algumas mudanças empreendidas nos dois primeiros meses de sua gestão, como o projeto Câmara em Movimento, que prevê a realização de sessões ordinárias nas cidades do Distrito Federal. "Em 60 dias de nova gestão, o trabalho na CLDF tem sido pautado pelo compromisso com a população, que sinalizou o desejo por um novo capítulo na história do DF. É com esse forte sentimento que a nova gestão tem desempenhado sua função na Casa", afirma.

A Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) é um espaço de lutas políticas importantes em defesa dos interesses da população. É motivo de muita honra assumir a presidência da CLDF, principalmente em um momento de profundas mudanças políticas no Distrito Federal.
Em 60 dias de nova gestão, o trabalho na CLDF tem sido pautado pelo compromisso com a população, que sinalizou o desejo por um novo capítulo na história do DF. É com esse forte sentimento que a nova gestão tem desempenhado sua função na Casa.
Uma das primeiras medidas adotadas foi a de levar a CLDF até o povo, por meio do projetoCâmara em Movimento. Graças a ele, os deputados distritais criam oportunidade para que os cidadãos compreendam melhor qual é a função dos parlamentares e como funciona uma sessão ordinária da Câmara Legislativa. O projeto prevê a realização de sessões em todas as cidades do DF.
O projeto Câmara em Movimento confirma nosso compromisso de focar na transparência e no relacionamento aberto e democrático com a população. É importante registrar que a iniciativa só foi possível graças ao apoio imediato e grande empenho de todos os pares, que compreenderam a necessidade de uma nova forma de relacionamento com o povo.
Apesar de todas as divergências ideológicas, os deputados distritais estão todos interessados na causa comum de servir a população. É por isso que, em tão pouco tempo, foi possível mudar tantos aspectos importantes da CLDF em benefício do cidadão.
A promulgação da emenda à Lei Orgânica nº 86/2015 e a assinatura do termo de cooperação entre a Câmara Legislativa e a Defensoria Pública do DF também são duas conquistas que a Casa não pode deixar de comemorar. Graças a essas ações, já há um posto da Defensoria, localizado na Praça do Servidor, para atender o cidadão nas questões familiares, de registro público e de órfãos e sucessões.
Também merece agradecimento sincero o empenho de todos os funcionários da Casa que, nesses primeiros 60 dias, não mediram esforços para viabilizar com seu trabalho todas as iniciativas que adotamos. Sem o empenho de cada um, nada disso teria sido viável.
E, já que estamos ainda no Mês da Mulher, registro um agradecimento especial às servidoras da Câmara Legislativa do Distrito Federal, que deixam suas famílias, lares para enfrentar múltiplas jornadas e, muitas vezes, permanecem até tarde na Casa para ajudar no bom funcionamento do Legislativo.
A grande bandeira que congrega todos os deputados distritais é a de assegurar uma vida decente às famílias do Distrito Federal. A luta para garantir uma vida mais digna à população deve ser a "mola-mestra" do trabalho a ser desempenhado nos próximos anos na CLDF.
Para a saúde – que ainda é um pesadelo para os moradores do DF – é preciso somar forças. É preciso viabilizar mais recursos, melhor gerenciamento e mais atenção à saúde da família. É urgente que seja oferecido na nossa rede pública um atendimento universal, gratuito e de qualidade, como prescreve a Constituição.
A bandeira da justiça social também deve sempre nos acompanhar. Não podemos apenas nos orgulhar das maravilhosas qualidades da capital federal, mas entender que é preciso avançar muito no campo social, para que todos possam beneficiar-se da qualidade de vida reconhecida internacionalmente, mas ainda inacessível para a maioria do povo.
É preciso reconhecer as imensas lutas que as mulheres ainda precisam travar para garantir seu espaço. Mas também podemos comemorar conquistas como a Lei Maria da Penha, assim como a recém-aprovada Lei do Feminicídio, que transforma em crime hediondo o assassinato de mulheres decorrente de violência doméstica. E essa luta importantíssima também estará sempre presente, como prioridade, na pauta da CLDF.
*Celina Leão é deputada distrital pelo PDT

Utilidade Pública - Cursos gratuitos de manutenção hidráulica e predial são oferecidos no DF

Aulas são destinadas a síndicos, pedreiros e bombeiros hidráulicos que queiram se aperfeiçoar na área

Durante todo este ano, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) oferecerá cursos de Manutenção hidráulica predial e Sistema separador de areia e óleo, dentro do tema Saneamento e Sociedade. O objetivo é divulgar o conhecimento para que a população entenda os sistemas hidráulicos internos.

O curso de Manutenção hidráulica predial é voltado para pedreiro, bombeiro hidráulico, encarregado de manutenção de edifícios residenciais e síndico de condomínio. O intuito é orientar os profissionais para a realização de manutenções preventivas e corretivas nas instalações hidráulicas das moradias. Já o curso Sistema separador de areia e óleo é dirigido a gerentes, encarregados e funcionários de lava-jatos, postos de gasolina, garagens de ônibus, oficinas mecânicas e locais de troca de óleo lubrificantes. A finalidade é oferecer conhecimentos técnicos sobre a implantação e manutenção desses sistemas para evitar contaminação do solo.

Caça-vazamento

A Caesb oferece também curso de caça-vazamento, com o objetivo de orientar os consumidores a evitar vazamentos internos nas residências. Assim, o morador pode eliminar desperdícios e prejuízos na conta de água.

Segundo a coordenadora de fiscalização e orientação hidrossanitária da Caesb, Zélia de Souza, o curso é oferecido o ano inteiro, a qualquer momento. Para solicitá-lo, basta fazer uma solicitação pelo telefone 115.As aulas são ministradas na Escola Corporativa Caesb, localizada no SIA, lotes E/F, sala A, das 8 às 12 horas.

Fonte: Correioweb/CAESB

sexta-feira, 13 de março de 2015

Celina Leão é contra a extinção de Administrações Regionais

A presidente da Câmara Legislativa, deputada Celina Leão (PDT), realizou uma Comissão Geral, na noite desta quinta-feira (12) no plenário da. Casa,  para debater com a população e com os distritais o projeto de lei 182/2015, de autoria do Executivo, que prevê a redução das Administrações Regionais de 31 para 24. Na ocasião  Celina se posicionou contra a extinção de Administrações. 

"Eu disse para o governador que eu tinha dificuldade de votar esse projeto e que iria ouvir a população, isso é democracia. Eu sou contraria ao projeto, não há condições para votá-lo, por que os deputados são reflexo da população, que rejeita o projeto", declara a deputada.

Todos os distritais presentes, também se manifestaram contra a proposta. 


Representantes do Núcleo Bandeirante, Candangolândia, Jardim Botânico, Cruzeiro, Varjão, Fercal e de outras cidades repudiaram o projeto apresentado pelo GDF. Alguns chegaram até mesmo, a propor a criação de novas Administrações Regionais, como a do Sol Nascente.

Uma moção pedindo ao governo a retirada de tramitação da proposta foi lida em plenário e já conta com a assinatura da deputada Celina Leão e de outros 18 parlamentares.

Segundo Celina, as notas taquigraficas com o registro de todo o debate, serão encaminhadas ao governador Rodrigo Rollemberg.

Celina manda apurar possíveis falhas na construção do prédio da Câmara



A mesa diretora da Câmara Legislativa deve abrir um procedimento administrativo para apurar a responsabilidade pelos problemas estruturais do edifício sede daquele poder legislativo, construído há pouco mais de quatro anos. A denúncia, publicada pelo portal de notícias Fato Online nesta quarta-feira (11), mostra que apesar do pouco tempo de sua construção o prédio, que custou três vezes preço inicial previsto (42 milhões) e ao longo do processo de construção foi reajustado para R$ 120 milhões, já apresenta defeitos como infiltração, placas de cerâmica soltas no piso e a maioria dos elevadores sem condições
A presidente da Câmara, Celina Leão, ao tomar conhecimento dos problemas revelados na reportagem publicada pelo Fato Online, afirmou que pretende responsabilizar a empresa que construiu a sede do Poder Legislativo situada no Setor de Indústrias Gráficas – a Via Engenharia.
Para Celina, como a obra não foi realizada na sua gestão, porém, ela precisa saber se tem respaldo jurídico para acionar a construtora, devido ao fato de que cinco anos já transcorreram desde a entrega do prédio, inaugurado em 2010. A deputada ressaltou que os defeitos são antigos e anteriores à sua gestão. “O mais correto seria que os outros presidentes que passaram pela Câmara abrissem uma sindicância e apurassem os fatos que foram ocorridos aqui na casa”, salientou.

segunda-feira, 9 de março de 2015

No Distrito Federal, número de mulheres no Legislativo é o dobro da média nacional

A “bancada feminina” também ocupa os principais cargos da mesa Diretora na Câmara Legislativa do DF
Celina Leão é a única mulher a presidir o Legislativo numa unidade da Federação
Depois de vencerem o machismo e o preconceito e se consolidarem no mercado de trabalho, elas também participam das decisões políticas da cidade. Enquanto a média nacional de mulheres no legislativo é de 10%, no Distrito Federal elas representam 20% do quadro de deputados na Câmara Legislativa. Além disso, os principais cargos da Casa são ocupados por duas mulheres: Celina Leão (PDT) e Liliane Roriz (PRTB), que foram eleitas presidente e vice desta legislatura, respectivamente. A “bancada feminina” no parlamento é composta ainda por outras três deputadas: Sandra Faraj (SD), Telma Rufino (PPL) e Luzia de Paula (PEN).
Bancada pequena
Luzia de Paula, presidente da Comissão de Assuntos SociaisFoto: Sheyla Leal/Obritonews/Fato
Mesmo assim, a “bancada feminina” ainda é pequena se comparada com a do sexo oposto, que tem 19 gabinetes. Esse baixo quórum feminino na CLDF suscita desconfiança se for levada em consideração a pesquisa mais recente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que aponta a maioria delas no quadro de eleitores brasilienses, de acordo com o último recadastramento eleitoral feito em 2014.
Os dados do tribunal afirmam que, dos 1,4 milhão de eleitores no DF, 788 mil são do sexo feminino. Ou seja, 55,6%. Enquanto que o quadro masculino está atrás com 600 mil. “É uma questão cultural. Principalmente, das eleitoras. Se nós tivéssemos mulheres votando em mulheres, nós teríamos 50% do parlamento composto por mulheres”, analisa Celina Leão.
Preconceito
Para a presidente da Comissão de Assuntos Fundiários (CAF), Telma Rufino, ainda há um preconceito da mulher na política. “Eu mesma sofri vários preconceitos quando fui pedir voto nas ruas. Escutei inúmeras vezes que o lugar de mulher era na cozinha. Acho que o preconceito é tanto por parte dos homens quanto das mulheres”, avalia.
Telma Rufino, presidente da Comissão de Assuntos Fundiários Foto: Sheyla Leal/Obritonews/Fato
Mais otimista que as colegas deputadas, a presidente da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), Luzia de Paula, acredita em mudança nas próximas eleições. “Estamos avançando na questão das mulheres na política, no poder. Essa diferença ocorre porque a mulher latina é muito mãe, dedicada à família e isso faz com que ela tenha uma responsabilidade a mais que os homens, tornando difícil conciliar com a vida política”, ressalta.
Carinho
Apesar da discrepância em relação à quantidade entre os dois gêneros, as cinco deputadas distritais elogiam o tratamento que têm recebido dos colegas de parlamento. “Aparentemente, não há discriminação. Porque todos têm um carinho, um respeito”, afirma Luzia. “O convívio aqui é harmonioso”, jura Telma.
Assim, as cinco debatem com os colegas distritais temas importantes, como o pacote de medidas do Executivo para socorrer as contas públicas, redução de administrações, aumento de imposto, a situação fundiária do DF, entre outros assuntos.
Ao ser perguntada se escolheria outra carreira, Celina responde com jargão: “Faria tudo de novo”. Mas não tem dúvida entre as opções de presidente da Câmara ou de deputada: “Prefiro ser deputada. Porque emana do povo. Presidência emana de seus pares. Não tem nada mais legítimo do que o povo te eleger”, destaca.
Fonte: Fato online

domingo, 8 de março de 2015

"Por isso, neste 8 de março, digo que lugar de mulher é na política" - Dep. Celina Leão


Depois de décadas de alienação política, é maravilhoso verificar a forte presença feminina na política. É a segunda vez que o Brasil é governado por uma mulher. E o Distrito Federal tem, pela segunda vez também, uma mulher presidindo a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

É com muita honra que assumi a presidência da CLDF tendo, ao meu lado, na vice-presidência, a deputada Liliane Roriz. Trata-se de uma missão difícil, mas muito honrosa. As mulheres têm posição de destaque neste novo capítulo da história política do Distrito Federal. 

Toda mulher carrega dentro de si muita fé e esperança no futuro, além da sensibilidade tão necessária para os momentos de mudanças e mesmo de crises. A alma feminina sabe que é preciso mudar, mas sempre conservando o que foi conquistado. Saltar para o futuro é preciso, mas sem nunca deixar de levar consigo o passado que oferece lições tão preciosas.

O momento é de grandes desafios para os gestores e para a população do Distrito Federal. Mas também é uma oportunidade de redefinir nossa história com mais responsabilidade e generosidade. Sei das decisões difíceis que precisam ser tomadas, agora por causa do passado recente, mas, coerente com minha alma feminina, vou imprimir em cada uma delas a sensibilidade de uma mulher que sabe o quanto é difícil viver em um país injusto e desigual.

Herdei essa lucidez de minha mãe, Maria Célia Leão, que em uma época de maiores dificuldades e preconceitos, lutou muito e conquistou seu lugar no mercado de trabalho e na política, que sempre lhe despertou interesse. Lembro que, nos meus dias de menina, minha mãe me levava às reuniões políticas com lideranças nacionais expressivas. 
Em meio às campanhas da qual minha mãe participava, tive o privilégio de ainda muito nova ouvir e conhecer figuras ilustres como Ulysses Guimarães. Também bem cedo percebi que a mulher precisava lutar mais do que o homem para conquistar seu espaço.

Por isso, entendo que temos uma garra muito grande, forjada nas dificuldades que enfrentamos desde cedo, e somos capazes de persistir quando até os homens mais fortes e inteligentes recuam ou se deixam tomar pelo desespero.  A mulher é testada continuamente, desde sua mocidade, e assim adquire sua resiliência singular. 

É outra característica forte que também herdei de dona Maria Célia Leão, uma mulher sempre atenta às questões de políticas públicas de gênero e que no estado de Goiás criou a Secretaria da Condição Feminina, que foi uma grande referência para todo o Brasil.

A partir desse grande exemplo, trilhei o meu próprio caminho. Primeiro, no movimento estudantil, conciliando os estudos e a militância com o trabalho de administração de empresas, e ainda me rendendo à paixão do hipismo. Nunca quis ser menos do que tudo aquilo que eu poderia sonhar para mim mesma. 

Foi assim que fui conquistando também meu espaço na política do Distrito Federal, com muita fé e perseverança. A participação feminina na política é desde sempre uma luta muito grande, pontuada por episódios de retrocessos e atrasos, mas traz enormes benefícios não apenas às mulheres, mas a toda a sociedade brasileira.   

Porque a mulher sabe transformar sua sensibilidade e perseverança em um olhar diferenciado na política. Ninguém entende mais de conflitos de interesses do que uma mulher que tem responsabilidade por sua família. Ninguém sabe mais sobre a natureza humana do que aquela que nasceu com o dom de dar continuidade à humanidade.

Por isso, neste 08 de março, digo que lugar de mulher é na política. E deixo aqui minha homenagem às mulheres pioneiras que abriram o caminho pelo qual hoje estou trilhando meus passos, em especial à minha mãe, Maria Célia Leão, que me deixou como herança sua força de vontade, sensibilidade, caráter e generosidade.

Celina Leão

sábado, 7 de março de 2015

Mulheres com vez e voz na política

A presidente da CLDF fala da sua trajetória política e como se espelhou em sua mãe

A trajetória da atual presidente da Câmara Legislativa do DF,  Celina Leão Hizim não ultrapassa uma década, mas já traz bons frutos na política local. Natural de Goiânia (GO), 38 anos, é casada e mãe de dois filhos. É formada em administração de empresas. Iniciou a vida pública em 2000, no Procon-DF. Envolvida na elaboração de políticas públicas para a juventude, Celina fundou a ONG Juventude Organizada pela Integração e Ação (Joia), exercendo grande influência com sua militância pela criação da Secretaria Nacional da Juventude.
Em 2006 assumiu a Secretaria da Juventude do DF e em 2010 foi eleita deputada distrital. 



Em 2014 foi reeleita deputada distrital pelo PDT. Celina é também vice-presidente da Promotoria da Mulher na CLDF, que deve ser inaugurada esta semana. Em sua atuação legislativa, Celina Leão apresentou mais de 800 proposições, cerca de 200 representações, pediu o impeachment e a prisão do governador Agnelo Queiroz (PT), além de sete pedidos de CPIs, consolidando-se como uma das parlamentares mais atuantes do DF.



Como se sente sendo a segunda mulher a presidir a CLDF num momento em que duas  mulheres (Celina Leão e Liliane Roriz) estão à frente da Casa?



É um momento importante para mim. Sou filha de uma mulher que lutou muito para que as mulheres tivessem vez e voz na política. A emancipação política da mulher no Brasil é muito nova. As mulheres ainda têm uma participação tímida na política. Mas minha mãe contribuiu para que isso  acontecesse. Me lembro que várias vezes promovemos reuniões em casa sobre esse tema. Abrigávamos mulheres vítimas de violência em nossa casa, quando ainda não existia a Lei Maria da Penha. Esse momento tem valor porque mostra  o resultado da  luta das mulheres para que participassem efetivamente da política. Hoje, não é um escândalo a mulher participar da política, mas sim, a prova  de que a mulher está pronta para isso, e que ela deve ocupar espaço no poder.



Há algum diferencial na conduta de uma mulher à frente da CL e na de um homem no comando da Casa? Qual?

Não vejo diferença na capacidade intelectual de ambos, mas somos mais sensíveis. A mulher é mais emotiva, mais sensível, características da mulher. É isso que a diferencia do homem. Isso é bom, traz um toque feminino. 

Quem a senhora acha que tem mais pulso nessa função, o homem ou a mulher?

São iguais. Entretanto, as pessoas fazem uma brincadeira preconceituosa. Dizem que o único homem da Câmara Legislativa é a deputada Celina Leão, como se a coragem  fosse uma característica masculina. Não é verdade. Sou uma mulher de pulso forte e não  me vejo nem à frente e nem abaixo de nenhum homem. Nesse requisito tenho coragem suficiente para tocar os trabalhos.



Como a senhora vê a evolução da mulher em ser aceita para conduzir cargos que antes só eram ocupados por homens?



Acho que é uma evolução e que precisamos mudar muita coisa. Por exemplo a cultura e a forma de criação da mulher ainda é muito diferenciada. Os pais criam a mulher diferente do homem e é uma coisa que a gente precisa mudar, que é o  preconceito familiar. Há mulheres que não votam em mulheres. Isso é ruim, é preciso derrubar esse tabu. E com as mulheres no poder, esperamos que  outras se espelhem naquele modelo. Ela deve pensar que se ela votar na candidata e que se esta for eleita , ela poderá representá-la.



A senhora concorda com a comemoração do Dia Internacional da Mulher?

Sim, porque é um dia de comemorar lutas e ver até onde chegamos. A luta da mulher é mundial. Há países em que a mulher não tem direitos. Esse dia é um dia  de marcar as conquistas e rever e olhar o  horizonte. 

A senhora é a favor da igualdade entre homens e mulheres? 

Sim, claro! Acho que essa é uma meta e precisa de ser vivenciada  com muitas mulheres no parlamento. 

Que avanços a senhora vê na política com o crescimento de mulheres em cargos no Legislativo? 

Acho que é esse olhar de cuidar das políticas públicas, e de entender a família. A nossa evolução para a política não tira as nossas responsabilidades de ser mãe, de ser dona de casa, esposa, essa capacidade de administrar tudo ao mesmo tempo, conseguimos levar isso para a política também.

Uma das propostas que faz parte da reforma política é o Projeto de Lei do Senado nº 295/2011, que eleva o percentual de vagas para mulheres nas eleições proporcionais. A senhora concorda ou acha que já deveria existir, e não depender da reforma em questão?

Temos de garantir, sim, em lei, mas  a reforma política tem de ser verdadeira e não disfarçada. Porque temos hoje uma cota de 30% exclusiva para mulheres, mas é uma cota de inscrição  que não garante a eleição dessas mulheres. Então  acho que a reforma política tem de ser feita para priorizar que mais mulheres tenham mandato. A cota mínima tem de ser obedecida e que as mulheres mais bem votadas assumam a cota destinada a elas. Esse é o entendimento que tenho, porque acredito que não só se garantem as cotas, mas garantir as vagas para as mulheres. A reforma política só é válida quando ela garantir as vagas. Vamos  garantir no parlamento que as mais votadas ocupem essas vagas. 

A senhora apresentou alguma proposição que atenda a (s) demanda  (s) das mulheres?

Tenho vários projetos de lei que garantem a escolha da mulher em várias áreas  e a ampliação dos seus direitos. Nesta semana dedicada à mulher, pedimos à Assessoria Legislativa que selecionasse as propostas relativas às mulheres para que possamos dar parecer em plenário, em bloco, de pelo  menos algumas leis que ampliem os direitos da mulher.


Fonte: Jornal da Comunidade